sexta-feira, 18 de julho de 2008

The Dark Knight - opinião


(A imagem acima foi pega no blog Antigravidade. Valeu pessoal!)
Hoje tinha minha alma lavada por uma enxurrada.
Assisti a Batman - O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight, 2008), no Cinemark Vitória 5, as 18:30 (lógico, a sessão começou um pouco atrasada, por causa das pessoas que iam chegando). Muito barulho antes de começar o filme. Uns moleques falando: "O Batman morre!", outros conversando sobre trivialidades, mas quando começaram os trailers, pairou um pequeno silêncio, e depois, quando as luzaes definitivamente se apagaram e o símbolo da Warner apareceu, o silêncio foi absoluto.
Antes de mais nada, não sou crítico de cinema, só um fanboy expressando sua admiração pelo filme (recomendo quem ainda não assistiu, que não leia, pois conterá muitos spoilers. Assista antes, leia depois).
O filme prima pela beleza do que os fãs do Batman gostam, muita ação, pancadaria, ação ininterrupta, suspense, ação delirante, insanidade e loucura extrema.
Comecemos dizendo, o Batman não é um assassino, e como o próprio Comissário de Polícia James Gordon (Gary Oldman) diz no final : - "Ele não é um herói!(...) Ele é o que Gotham precisa".
Se existe algo para dizer sobre o Coringa (Heath Ledger) é: Ele é insano! Ele é demente! Ele é um "Agente do Caos"! Alguns poderão dizer que a atuação de Ledger não foi primorosa e que não foi o melhor trabalho dele, mas desafio a qualquer um a dizer que reconheceram Ledger por trás da maquiagem, por trás da loucura projetada por ele para as câmeras. Seu primeiro momento já fala por si, no assalto ao banco. Todas suas aparições são fantásticas, mesmo a cena que diziam que seria cortada, quando ele se finge de morto, é algo fantástico, e mesmo se quisessem não poderiam cortá-la, pois ela fazia parte do contexto da cena que deu a frase que todos mais insistem em repetir: "WHY SO SERIOUS!". A cena da explosão do hospital me levou a gargalhada, por mais demente que tenha sido. Tudo nele demonstrava o quão extremo ele precisou chegar a loucura da qual o Coringa necessitava para ressuscitar nos cinemas.
Aqueles que tanto reclamaram das cenas de luta fechada, agora não tem do que falar, pois o Batman (Christian Bale) mostra do que é capaz, com cenas de lutas abertas, derrubando com força e vontade desde bandidos, a imitadores e policiais. Temos cenas de ação para todos os gostos e várias coisas que foram lidas durante o passar dos anos de suposições, acontecem no filme, principalmente o visor sobre os olhos. Como sempre ele também possui um motivo para existir, e Christopher Nolan e seu irmão, souberam muito bem como usá-lo.
O mito do Batman se fortalece no cinema, pois se todos acharam Begins formidável, eu digo que O Cavaleiro das Trevas é excepcional.
Harvey Dent (Aaron Eckhart) mostra que tanto como promotor e Duas Caras, sabe como trabalhar pela justiça (mesmo que deturpada). Sua transformação, o começo de sua insanidade, sua perseguição aos assassinos de Rachel (Maggie Gyllenhall), mostram que ele é definitivamente um dos maiores inimigos do Batman.
Batman - O Cavaleiro das Trevas é um filme que ficará na memória dos fãs (e não-fãs), pois trouxe algo além do imaginável em um filme de herói... NÃO!!! Ele não é um herói! Ele é um CAVALEIRO DAS TREVAS!