sábado, 16 de fevereiro de 2008

Livros - Primeira Parte

Bem, fiquei de contar sobre meus personagens sobrenaturais, não? Pois é, como amanhã, dia 17/02, será o Encontro de Vampirologia planejado por Morbidus Masden, nada mais justo do que falar sobre eles. Aqui ínicio minha história sobre minhas escritas, meus romances.
Tudo começa no final da década de 1980, quando eu estudava no Colégio Nacional da Praia do Canto - Vitória/ES. O professor de português, Emílio Gozze Pagotto, um grande mestre, nos incentivava a desenvolver a imaginação, a escrevermos (os pretensos escritores), a compormos (os pretensos músicos e compositores) e a desenharmos (os pretensos artistas plásticos).
Emílio era uma pessoa que ajudava os outros a desenvolverem seus talentos. Nos ensinava com músicas e com suas histórias cotidianas da infância... Estou me pretendo demais a isso, vamos seguir... Bem, com o incentivo de Emílio, eu comecei o desenvolvimento de meus escritos ficcionais. De viagens espaciais a seres bárbaras, desenvolvia meu gosto pela escrita.
Através do que chamávamos de composição (hoje chamada de redação), escrevi meu primeiro conto de ficção científica, onde eu e alguns colegas da classe fazíamos uma viagem numa nave, construída sobre a supervisão do nosso mestre (lógico!). Interessante falar em Emílio, pois ele me incentivou a outra coisa, a criação de personagens, mas isso fica pra depois...
Seguindo, depois de Emílio sair do Espírito Santo para "crescer", deixei de lado a escrita, mas não a criação de personagens, até ir parar na Escola de Segundo Grau "Fernando Duarte Rabello". Lá, uma outra professora de Português me deu o incentivo para recomeçar. Mostrei a ela a história de um vampiro centenário, chamado Alexander Ulianov III, que vai atrás da reencarnação de sua amante-irmã.
Tá, é estranho, mas era a história que eu pensava. Alexander Ulianov III era filho de um nobre romeno, conde de um dos condados da Moldávia. Os dois vão a guerra contra os hungaros, pela possessão da Transilvânia e voltam amaldiçoados por uma bruxa magiar, que os transforma em vampiros. Bem, quem não sabe o que são vampiros, na mitologia, não é muito chegado em filmes de terror, mas vamos a explicação mitológica: vampiros são seres imortais, que em geral agem à noite, bebendo sangue. Bem, dependendo da linha de interpretação de cada contador de estórias vampíricas, vampiros têm aversão ao sol, objetos religiosos, alho ou prata, alguns destes objetos podem até mesmo matá-los, de acordo com Buffy e Blade. Minha história já tem uma abordagem diferente. Meu vampiro é imortal, mas vive como um humano normal, a única diferença é que ele precisa de sangue para viver. Não tem problemas com sol, come de tudo, é um cristão-católico, graças ao domínio romano-germânico nas suas terras, mas se alguém enfiar-lhe uma estaca no coração e cortar sua cabeça, ele definitivamente morre. Conte com isso queimar a carne e deixar as cinzas serem sopradas pelo vento, então não há volta mesmo.
Alexander e o pai retornam ao castelo com a maldição em seus corpos, mas somente a noite é que comentem o mal profundo. Alexander sacrifica o próprio irmão e desperta de sua insanidade com os gritos desesperados da criadagem que vê seu pai agindo da mesma forma com sua mãe. Tentando se redimir e salvar a última pessoa da sua família, que não fora amaldiçoada, na parte da manhã encaminha a irmão caçula, com um servo fiel, para uma choupana pertencente a eles.
Ataques constantes levam os moradores da vila próxima a atacarem o castelo, matando os pais de Alexander, mas ele consegue fugir antes de ser pego também.
Alexander se afasta durante doze anos e retorna as suas terras, encontrando um jovem próxima ao rio, se apaixona por ela. Os dois não sabem de sua ligação, então o romance dele atinge o segundo estágio, e quando isso acontece, o servo, um cigano conta-lhe quem ela é. Ele, agora completamente apaixonado, ignora o fato e continua a relação, então uma bela noite a transforma em vampira, com autorização da própria, lógico. Conta-lhe então toda a história dos dois, deixando-a enfurecida, o que a leva a agir impensadamente. Só que ela não tem capacidade para enfrentar a vila inteira e é queimada viva.
Alexander, contrariado, queima toda a vila, à noite, enquanto todos dormem. Aqueles que fogem das casas, ele degola. De acordo com o seu servo, um cigano conhecedor das magias arcanas, sua irmã fora purificada com o fogo e reencarnará na forma de outra pessoa, num país ainda não colonizado. Alexander então viaja por toda a Europa e Ásia, até que descobre que espanhóis e portugueses estão decididos a descobrir novas terras. Embarca então no intuito de buscar sua alma gêmea, sua irmã reencarnada, mas sempre é infrutífero. Sempre acompanhado de um servo cigano, pertencente a linhagem do seu antigo, que lhe revelou a reencarnação, ele fica ciente de algo.
Faz fortuna, guardando os bens de sua família em investimentos diversos. Na Revolução Industrial investe em maquinários que o fazem crescer mais e mais. Se tornando um multimilionário, Alexander investe muitos recursos em busca de sua irmã, até que ela reencarna numa jovem marchand, Marcelle.
Alexander vive com duas outras vampiras, Lilith e Althéia. Seu melhor amigo é um cigano, descendente do vidente, que também administra a fortuna de Alexander e tem o mesmos poderes de seu antecessor.
Alexander encontra Marcelle coincidentemente numa boate, onde ela está com uma amiga, a espera do namorado. Os dois se reconhecem, mas ela ignora o fato de ser quem é, ao contrário dele, que adquiriu sensibilidade para saber.
Lógico, a história não tinha fim, parava aí, mas minha professora me incentivou a continuar escrevendo, só que eu achei que estava "muito" semelhante com Drácula: nobre romeno, amada que reencarna, então preferi mudar um pouco o aspecto da história, transformando esta numa peça teatral chamada "Amor Sombrio". Na peça, ela começa com Alexander encontrando Marcelle na boate, com sua amiga Christiane, que se encanta por ele. A peça tem um narrador, que amarra as cenas. Nela Alexander conhecerá seu servo e amigo, um marchand (como Marcelle seria no livro), que o ajuda a conquistar Marcelle. Seus inimigos na peça são os namorados de Marcelle e Christiane, Jorge e Carlos, uma médica, Doutora Caroline e um caçador de vampiros, Doutor Moerbius.
Tá, parece mais ainda com Drácula, mas a idéia da peça é uma homenagem a Bram Stoker mesmo. Quanto ao livro? Bem, ele ganhou um novo enredo, uma nova abordagem.
Depois de ler Entrevista com o Vampiro, de Anne Rice, percebi que o lance da narrativa era bem interessante e tentei lançar esta abordagem, mas agora a personagem era uma vampira, Marcelle Anthemimus.
Marcelle Anthemimus é uma jovem grega, de dezesseis anos, que se torna imortal na mesma noite em que a sua mãe é morta por ela. O romance começa na introdução, quando Caroline Guimarães apresenta Marcelle. Caroline está refugiada, devido uma perseguição de outros vampiros que desejam matá-la por saber a história da grega. Depois vamos a Grécia, a mãe de Marcelle é uma sacerdotisa cretense, vulgarmente chamada de bruxa na atualidade, e vive em uma congregação de pessoas que seguem a mesma crença, só que ela faz um pacto com um ser demoníaco para a sobrevivência da filha no próprio ventre, sendo exilada por causa disso. Então ela vai morar em Atenas, com a filha, e lá se torna um prostituta, profissão que futuramente a própria Marcelle seguirá. Ela cresce e se torna uma bela jovem, mas a noite os rapazes que saem com ela sempre aparecem mortos e degolados. Suspeitando que a filha seja a condenada lamia, que todos desejam matar. Fazendo novamente a cerimônia, ela reconvoca o gênio maligno para saber o que está acontecendo, mas algo fatídico ocorre e Marcelle só descobre depois que desperta com a mãe nos braços, morta. A jovem condena o demônio e o ataca, este então, num ato de ira a condena a vida eterna, sobrevivendo de sangue durante as noites, conscientemente, e vagando durante o dia, como uma condenada. Marcelle faz uma cerimônia de enterro para a mãe e segue viagem para fora da Grécia. Seu primeiro destino principal é a Rússia de Catarina, A Grande. Ela conhece seu primeiro parceiro, o visconde Rustemov, só que ele não aceita bem a maldição que Marcelle, agora Catherina Stoyia, lhe concede. Ao matar uma serva durante o dia e sentir o sangue ferver em suas entranhas, Rustemov aceita ser guiado por Marcelle, que entende tanto quanto ele daquela situação, mas finge saber mais.
Vivem juntos durante um tempo e ela parte, com permissão da czarina Catarina, para longe. Seu próximo destino é o litoral, para ser mais exato, Espanha. Lá ela vive como uma concubina e conhece, numa noite de prazer, sua parceira, Lilith. Lógico, este nome é um apelido que ela ganha, como a primeira mulher de Marcelle. Ela se torna vampira também e uma grande companheira da grega. As duas vão então até a Alemanha e lá encontram um tipo de colônia de vampiros, após seguir um gigante louro e nórdico, chamado Forak. Esta colônia é administrada por dois vampiros, Hans e Fritz. Eles dois haviam sido transformados por Seth, um vampiro mais antigo que Marcelle. Elas acabam com a colônia e partem para África, onde Marcelle conhece Farud III, um antigo sacerdote do primeiro faraó do Antigo Egito. Ele trabalhava com o sumo-sacerdote Amon-Seth, que terminou matando o faraó na tentativa de lhe tomar o trono, mas foi parado pelo filho do faraó e fugiu, mas antes concedeu a Farud o dom da imortalidade, além de necessidade por sangue. Farud é chamado de djinn, um gênio maléfico que mata viajantes no deserto, e é o que ele faz. O que Marcelle estranha é que ele não tem o limite do sol, podendo se alimentar a qualquer hora do dia.
Dali seguem para o extremo sul da África, na Cidade do Cabo, que na época era uma vila de holandeses e portugueses. Lilith se habituara ao local, mas Marcelle preferiu fazer viagens por outros lugares, indo parar em Moçambique, onde conhece Marieta Elreas, a mamana madala ou mamadala. Ela fazia parte de um grupo de missionários portugueses, mas somente ela permaneceu no local. Ela era uma mulher mais velha e por isso era chamada por aquele nome.
Marcelle vivia no Cabo com Lilith, mas passava mais tempo viajando para Moçambique e com Mamadala do que com sua parceira.
Quando Lilith enjoou daquilo tudo, começou a insistir com Marcelle para tomarem o primeiro transporte para a Índia. transtornada, ela viajou, deixando mamadala com um desejo de ser igual Marcelle.
Chegando na Índia, viveram como prostitutas de luxo, satisfazendo homens, mulheres e casais. Saciavam sua sede moderadamente, as vezes com seus clientes ou nas ruas de Calcutá, com assaltantes. Durante um dia, Marcelle recebe um chamado a distância de um outro vampiro, seu nome era Nardan. Nardan era mais uma das vítimas de Seth, mas aprendera a se alimentar somente de moribundos que desejavam morrer, pois acreditava que a morte só deveria ser dada àquele que desejava. Ela então se atrasou para um encontro marcado com Lilith, deixando-a enfurecida e quando atenderam a um casal de clientes, ela terminou levando o rapaz quase a morte. Desesperada, Marcelle tenta trazê-lo de volta, mas ele já se tornara um zumbi. Tendo conhecimento daquilo a jovem deseja se tornar uma vampira também. Ela, Althéia, recebe então o dom da imortalidade dos lábios de Marcelle, também. O jovem, por ter esquecido de sua vida e ser muito bonito, ganhou o nome de Adônis.
Ela vive com o jovem casal e Lilith, mas tem encontros constantes constantes com Nardan, no Taj Mahal. Nardan era um poeta e ajudara na construção daquele belo monumento ao amor por uma pessoa, foi aí que conhecera Seth.
Cada dia que passa, Marcelle se afasta mais de seu companheiros e fica encantada com Nardan, mas descobre que este armou contra ela a mando de Seth, que soubera do que ela havia feito na Alemanha. Decide então se despedir dos companheiros e vai para China, onde conhece Tsiang Mai-Twi. Depois parte para o Estados Unidos, e conhece Morton Walker. Todos que ela conhecia ou eram vítimas de Seth, como Walker, ou consequências das vítimas de Seth, como Tsiang e Forak. Nos Estados Unidos ela prospera e segue para a Inglaterra.
Lá, com a renda que recebera da coroa russa, após a morte de seu "marido", Gregorin Rustemov, em um campo de batalha, vive como a condessa Catherina Rustemov. Conhece então Lord Nicholas Standburry Charles, sua maior paixão.
Vive com Nicholas e o transforma, com concentimento dele. Os dois mudam de nomes e vivem como herdeiros de si mesmo, mas um dia Marcelle que tudo não passa de mais uma armação de Seth, o que a deixa mais aborrecida é a carta deixada por Nicholas, confessando a traição que durou anos.
Amargurada, Marcelle deixa a Inglaterra e retorna à Alemanha, que ela considera seu segundo lar, mas chega em um momento dificil. A sua governanta, uma judia, é perseguida pelos nazistas, o que a faz matar, sem a necessidade de beber. Marcelle permanece vivendo na Alemanha, mesmo com a guerra e após ela. Procura então por um descendente direto, com a ajuda da neta do seu advogado, Germana Hesselberg, e descobre no Canadá um jovem orfão, que tem linhagem direta com a irmã de sua mãe. Escolhe uma família para adotá-lo e lhe dá o nome de Olimpus. Se torna uma palestrante sobre mitologia e história antiga, e conhece na Argentina um jovem rpgista, chamado Armando. Depois disso é outra história que ainda estou desenvolvendo e conto outro dia...

Nenhum comentário: