sábado, 2 de fevereiro de 2008

Desenhos - Primeira Parte

Não sou nenhum desenhista profissional, na verdade, tô longe disso. Sou um desenhista exponencial, gosto de criar personagens, mas não saio do estilo estátua ereta. Todas as vezes que quis dar movimento para meus personagens ficava feio, senão estranho, então continuei fazendo no estilo que melhor conheço, ou melhor, sem movimentos.
Comecei a desenvolver meus personagens na minha infância, quando assistia o desenho "Gato Corajoso e Rato Minuto", criados por Bob Kane, o criador do Batman. Nesta época surgiu Gatuno e Ratuno.
Eu geralmente desenvolvia meus personagens baseados no que eu assistia ou lia: Rapaz Vira-Tudo (baseado no seriado Homem-Animal, depois no personagem Mutano, dos Novos Titãs), Autoboy (baseado no seriado Automan, depois no personagem Elektrón), mas então surgiu meu primeiro personagem "original", Sckamoick.
Sckamoick foi desenvolvido de uma idéia do meu irmão - na época caçula - do meio, Armando Jr.. Ele tivera a idéia de um povo submarino feito de um tipo de esponja (isso foi na década de 1980, bem antes de Bob Esponja), que eram governados pelo soberano Sckamoloick. Ele tinha uma sacerdotisa - essa foi outra idéia do meu irmão - Virginia. Ela parecia uma humana perto deles, o que diferenciava bastante. A partir daí criei a história de Sckamoick.
No começo se chamava Esckamoick, mas resolvi tirar o "E", para ficar mais interessante. A história partia do seguinte princípio, Sckamoloick tinha uma disputa acirrada com o povo de Peixoloick (sei, rídiculo o nome!) por território. Seu soberano, na intenção de manter seu reino a salvo, decidi que seu filho deve ser criado fora d'água, para quando voltasse, pudesse tomar conta do reino e levá-lo a soberania dos mares, vencendo Peixoloick. O bebê, recém-nascido, quando entra em contato com o mundo da superfície perde sua aparência esponjosa, se parecendo mais com um humano. Vive uma vida normal, sendo criado por dois tios, que foram enviados como seus Guardiões. Se torna um jornalista consagrado, quando um dia um barco que ele estava com os tios sofre um acidente e ele vê, na sua frente, seus tios ganharem uma forma brilhante e, no lugar das pernas, nadadeiras de peixes. Mais estranho ainda é que ele não se afoga, e quando apalpa o pescoço, descobre guelras. Naquele momento eles vêem quem são os atacantes: seres de Peixoloick, liderados por Peixoick. Ele era um ser híbrido, meio homem-meio peixe, com nadadeiras no ligar das pernas. Ele combate os homens de Peixoick, também híbridos de homem com tubarão, e quase morre, sendo salvo pelos seus guardiões, que o levam a Sckamoloick (exato, era o nome da cidade também). Quando chega lá, descobre seu verdadeiro nome, Sckamoick, e recebe uma espada que pertencera a seu pai, e era a metade de uma outra, que estava de posse de Peixoick. Quando esta espada fosse unida, os reinos pertenceriam ao possuidor dela. Bem, este é um resumo de Sckamoick.
Daí com o surgimento do meu vício por Batman, decidi criar um personagem sombrio também, mas tinha de tentar desenvolvê-lo o menos parecido possível com o morcego, então criei o Combate.
Combate tinha uma visão um tanto diferente do Batman, porque primeiro seu pai estava vivo e quem morrera era sua mãe, num incêndio criminoso, provocado por marginais da sua escola. Primeiro comecei nomeando-o Dark Panther, e ele tinha uma roupa que misturava o traje do Vigilante da DC Comics, com o Pantera Negra da Marvel Comics. Dark Panther tinha a habilidade dos felinos: velocidade de um guepardo, audição de um lince, habilidades de um puma, força de um leão, destreza de um tigre e agilidade de um jaguar. Só que eu me via esbarrando em direitos autorais, caso um dia quisesse colocá-lo no mercado. Então decidi mudar seu figurino e seu nome, chamando-o de Kombat. Não combinava o nome e nem o figurino, que se tornara muito espalhafatoso e com um tom de terra e eu não podia manter esta idéia, pois o preto combinava mais com o ambiente que ele trabalhava, à noite (lembra que falei da comparação com o Batman?).
Daí então decidi por um traje no qual o peitoral seria um colete de kevlar, modelado como uma armadura romana, luvas e botas de motoqueiro, uma roupa bem escura e um cinturão, que passava pela cintura e pelos ombros, como de um pessoas em uma guerra, onde podia guardar várias coisas. A máscara esconde todo o rosto, modelando somente o olho, para demonstração de emoções. Feito isso, só precisava de uma história que eu acharia interessante. Um resumo dela: Jonas Jorman estuda numa escola pública e ele e seu melhor amigo, Daniel Curtis, sonham em se tornarem policiais, mas sua namorada, Cíntia Braga, não concorda. Um dia surge na escola um homem, seu nome é Jacob Dévero, dono de um empresa multibilionária, que negocia desde material escolar até armamento da era espacial. Ele chama Jonas para conversar e lhe entrega um presente de aniversário, um cordão com três pedras. Quando chega em casa, Jacob está lá, conversando com sua mãe, e Jonas descobre que ele é seu pai. Injuriado sai com os amigos para ir ao cinema, comemorar sua idade de 18 anos. Quando eles retornam, descobre que a casa de Jonas havia sido queimada, com sua mãe dentro, e os responsáveis eram marginais, que no dia anterior, ele e Daniel haviam enfrentado. O mais interessante é que Jonas não sente nem raiva e nem tristeza, pelo contrário, está apático com tudo. Seu irmão havia ido dormir na casa de uns amigos, então sobrevivera também ao incêndio (antigamente eu matava o irmão dele também). Jonas vai para casa de seu pai, e lá descobre sobre as três pedras: Jacob as havia encontrado quando descobriu um conjunto de túneis sob a sua residência, que eram usados para guiar escravos para fora de Granner Vix (o nome da cidade de Jonas). Quando chegou ao final de um dos túneis, encontrou uma "Toca", e no centro dela o cordão com as três pedras. Este cordão estava sob um pedestal que dizia: "Aquele que possuir a pedra, deverá entregá-la ao seu primogênito, quando ele completar dezoito anos, esperando que ele sinta dezoito emoções e só podendo remover após dezoito anos", mas ignorou a inscrição e colocou o cordão. Ganhou uma força sobrehumana, agilidade e velocidade imensuráveis, mas quase enlouqueceu. Foi neste período que Jacob se tornara noivo da mãe de Jonas, ele haviam se conhecido na universidade local, ela fazendo curso para professora e ele de engenharia. Os pais de Jacob não concodaram, mas mesmo assim ele se casou, mas devido sua falta com ela, se separaram, sem ele saber que ela engravidara.
Jonas ouviu a tudo, mas não teve reações. Jaffar, o servo indiano de Jacob, levou Jonas para seu quarto, sabendo que o dia posterior ele teria algum tipo de sentimento estranho. E assim foi, durante dezoito dias, Jonas teve vários sentimentos incontroláveis e recebia treinamento de Jaffar, enquanto Jacob tinha de viajar a negócios. Seus amigos não entendiam nada, mas ele fez a prova da polícia e passou, se tornando policial. Depois, já ingressado na polícia, Jonas fez prova para faculdade de jornalismo, pois seu maior desejo era se tornar jornalista criminal. Durante este período fez vários tipos de artes marciais, ginasta olímpica, até que se chou capacitado para ir as ruas como um vigilante, apesar do vigilantismo ser proibido. Saiu da polícia, na época em que o amigo, Daniel Curtis se tornava tenente e começava uma perseguição acirrada ao vigilante. Entrou para uma revista quinzenal, Granner Vix (isso aí, a revista tinha o nome da cidade), onde publicou uma matéria sobre o Sr. N, um chefe do crime, que nunca ninguém soube quem era, colocando entre os suspeitos o multimilionário Antônio Pielberg. Após isso, surge uma outra vigilante, que se autodenomina Gótica.
Gótica diz ser uma fã dele, e que por isso faz justiça também, mas quando se descobre a história dela, sabe-se que o pai dela cometera suicídio quando a empresa fora a falência, devido negociatas ilícitas de um dos acionistas usando a empresa, sua mãe tinha uma doença degenerativa e por falta de cuidados, faleceu dias depois da morte do marido. Sara Monagahan, o nome dela, decidi então investir o resto de sua herança em uma busca por justiça. Tornou-se hacker e entrava constantemente nas empresas dos acionistas, na tentativa de descobrir quem lucrara com isso, mas se depara com tecnologia suficiente nas Corporações Dévero, para começar seu próprio exército e começou a adquirir artefatos de lá. Jonas a adota como companheira e os dois tentam descobrir quem é o Sr. N (Antônio Pielberg) e combatem o crime em crescimento na cidade. O maior inimigo de Combate (que esqueci de falar, mas ganha o nome da repórter criminal, Sarah Carvalho) é o Caçador, que é contratado para matar Jonas Jorman, mas se depara com Combate, e termina decidindo matá-lo, pelo simples prazer de fazê-lo.
Depois disso, outro personagens surgiram, como Universal, Gravitron, Takyón, Comando Delta, Novatos, mas nem sempre gosto de criar super-heróis, criando também o Comando Global, também conhecidos como Mercenários, formado por soldados de várias partes do mundo, que respondem a ONU. Dentre eles está o irmão de Jonas, Jonathan Jorman, que altera o nome para Jeremy Jonnathan e tem como codinome Phantom (nenhum relacionamento ao Espírito-Que-Anda).
Cada um dos meus personagens têm identidades distintas. antes eu os colocava nos EUA, pois lia muito quadrinhos de lá, mas então decidi nacionalizá-los. No Brasil temos problemas suficientes para serem solucionados. Somente o Comando Delta e Gravitron não são completamente brasileiros. Gravitron nasceu Jade Crawford Hawk, mas depois das mortes de seus pais, ele foi criado por aborígenes australianos. Jade (apesar do nome, é homem) adquiriu poderes das terras australianas, mas isso devido uma alteração no seu DNA, que descobrira seu tio, Anthony Hawk, causava mudanças genéticas nos humanos, dando-lhes poderes. Jade podia manipular a gravidade, além de estar ligado a geoforça terrestre, podendo gerar erupções vulcânicas e manipular o solo. Se tornou um salvador da fauna australiana, combatendo caçadores, até ser reencontrado por seu tio, que o adotou e levou para o Brasil, onde iniciou os estudos sobre as alterações genéticas. Dr. Anthony Hawk não possuía tal alteração, mas sua esposa - já falecida - sim. Após sua morte, ele decidiu se dedicar mais ainda. Ao chegar ao Brasil, desenvolveu o Projeto NOVATOS, onde descobriria no Brasil jovens que tivessem tais capacidades e ajudaria a triená-los ao lado do Comando de Defesa Brasileiro (CODEBRA), liderados pelo General Valter Costa Solto, conhecido como Águia. Só que os planos do Prof. Hawk iam muito além de somente ficar aqui, então após juntar o grupo, formado por: Apollo (Mékaro Lativius), capaz de gerar alta temperatura; Ártemis (Mékara Lativius), que possui o dom de comungar com os animais e copiar suas capacidades (sei, parecido com Vixen da DC Comics); Bio (José Henrique Bastos), um cérebro de um jovem em um corpo robótico; Luar e Luz (Luannia e Hannia), duas alienígenas, encontradas e escondidas pelo CODEBRA; Massa (Breno Cesário), um gênio que desenvolve sua massa muscular até ficar completamente ignorante e feroz; Mutante (Claudino dos Santos Silva), um peão de rodeio, capaz de assimilar qualquer elemento; Net (Andressa Camargo), uma moça com habilidades de dominar qualquer tipo de circuito eletrônico e manipulá-los a própria vontade; Névoa (Melissa Carvalho), cuja o dom é de gerar névoas; e Tupã, com capacidades de manipular o tempo, gerar raios e trovões. Este jovens ficam sob os cuidados do Dr. Flavio Mattos e do Coronel Díonisio Ramos, enquanto Hawk retorna para a Austrália com o sobrinho, a filha adotado, Claudini Terence Hawk, cujo o codinome é Esponja e que possui a copiar os dons das pessoas alteradas a sua volta, já assimilando a mãe adotiva, e a jovem Vera Lucia Morães, codinome Psico, que tem o dom de ler os sentimentos dos humanos e projetar suas lembranças. Anthony envia o sobrinho na busca por outros modificados e Jade viaja por todos os continentes procurando estas pessoas, indo parar no EUA, onde conhece em Las Vegas, Willow Stanzinz, apelido Midas, que tem a capacidade de absorver qualquer tipo de metal e transformar objetos inanimados no que absorvera, na Flórida conhece Theresa Millian e Hiram Chelsea. Theresa possui vários poderes, mas só pode usar dois de cada vez, dentre suas capacidades estão: superforça, capacidade de vôo, intangibilidade, invisibilidade e crescimento ou diminuição de tamanho, sendo seu codinome Multi, e Hiram é capaz de gerar fogo pelo corpo e dispará-lo, ganhando o nome de Phoebus, no Canadá, Jade conhece Michael Jarré, que possui a capacidade de absorver qualquer tipo de impacto e transformá-lo em força ou energia, ficando conhecido como Acumulador. No Canadá também, Jade tem o primeiro encontro com um rival do tio, Thaddeus Greenberg e seu grupo Death Squad, que tentam tomar Michael para eles, mas levam uma surra dos dois. Seguindo viagem, na Inglaterra ele conhece Peter Clarence Owens III, cuja capacidade de metamorfosear qualquer parte do corpo em uma lâmina afiada, lhe dá o nome de Esgrima, na França conhece Michelle Voux-Pierre, que possui o dom de gerar e absorver eletricidade de qualquer tipo, ganhando o apelido de Hertz, e Lilah Danwin Bengals, modelo que possui as habilidades de teletransporte, telecinésia e telepatia, ficando conhecida como Tele. Mas a frente, na Itália, Jade conhece a aberração híbrida Lúcifer Daemius, que possui o codinome de Bestial, devido sua parência de demônio. Lúcifer, apesar da aparência, é uma pessoa dócil e amável, mas se aborrecido, sabe como usar as próprias asas, sua força e a capacidade de gerar fogo com as mãos.
Subindo um pouco pela Europa, Jade quase morre de frio, mas é aquecido por Tormenta, codinome de Blilliard Termansk, que tem o dom de gerar grandes tempestades, tornados e, como o próprio apelido diz, tormentas. Saindo de lá, segue para Grécia, onde conhece o culto Anthros Pallenka, que além de pintor e músico, é hábil em arco e flecha e metade do seu corpo é de cavalo, o que lhe dá o nome de Sagitário. Jade retorna um pouco até a Espanha, onde deve encontrar uma antiga aluna de Hawk, Cália Belleronte, que tem como dom de causar sono e entrar nos sonhos das pessoas, ganhando o nome de Morpheus. Indo parar na África, mas especificamente, no Egito, o jovem que viaja voando o tempo todo, se depara com um soberano. Simplesmente conhecido como Hórus, Jade tem de submeter a uma prova para convencê-lo de que deve seguir para onde os outros estão indo. Vencendo Hórus, que possui grande dom de visão, habilidades de vôo, grande força e capacidade de se transformar num falcão, segue para as selvas africanas, ele encontra Pashuska, um afrincader (ou bôere) que possui o dom de assimilar capacidades de animais e comungar com eles (sim, igual Ártemis). Depois sobe direto para a Ásia, mas com o cansaço sofre uma queda na casa de quem deveria procurar no Japão, Tomoko Hiriato.
Quando desperta, Jade diz se lembrar de Tomoko, quando os dois estudaram na Inglaterra - ah, esqueci de mencionar, mas Peter tambem é um ex-colega de Jade - e convida para fazer parte do grupo, mas este se diz relutante, pois da última vez que usara seu dom, que é o de gerar energia concentrada nas mãos e nos pés, quase matara alguém. Mesmo assim Jade lhe entrega o convite e diz que ele é esperado, e que todos o conhecerão somente como Marcial. Seguindo viagem, Jade vai para China, encontrar um homem milenar, seu nome é Shiro Tang-Shi, mas lá é conhecido como Long. Diziam que ele vivia há milênios, e ao conhecê-lo Jade soube o porquê, seus cabelos verdes entregavam algo diferente nele, mas quando veio a transformação, estava dito a motivação, pois ele era um dragão (dã, Long=dragão, em chinês!). Indo mais para cima, para Rússia, o jovem se reencontra com um antigo amigo do tio, também uma das motivações das pesquisas de Anthony Hawk, o Prof. H. Klaus Stanzinski é um geneticista que reside na Sibéria, mas tem seus motivo para fazer isso. Seu corpo gera frio e tudo que ele toca, congela, por isso é denominado Ártico. Após entregar este último convite, Jade retorna a Austrália e diz ao tio que seguirá com sua vida, mas nunca deixará de ajudá-lo, quando este precisar. Assim ficou formado o Comando Delta... Depois seguirei com a história.

Nenhum comentário: